Como serão os restaurantes do futuro?

Drones entregadores são coisa do passado. Restaurantes terão robôs do pedido à entrega final, oferecendo maior precisão, inteligência e agilidade

Não é surpresa para ninguém que a indústria de restaurantes anda de mãos dadas com a tecnologia. Os aplicativos de entregas estão em sua era dourada, e empresas internacionais já iniciam as primeiras operações de entregas via drone e outras automatizações.

Mas o que mais tem sido transformado pela ação das IAs e robôs nos estabelecimentos alimentares?

Masterchef robótico?

restaurantes

(Foto: Shutterstock)

Segundo um relatório do McKinsey Global Institute, os robôs serão parte natural dos restaurantes do futuro. Assistentes digitais e automação robótica serão exigência não apenas do consumidores, mas também dos trabalhadores, uma vez que tarefas repetitivas não precisarão mais ser feitas por humanos.

Uma tendência que já está sendo observada pelo mundo é a presença de robôs cozinheiros. Assim como nas grandes fábricas, a automação na cozinha é capaz de selecionar, preparar, entregar e embalar produtos sem intermédio de humanos.

Contudo, para Robin Batra, Chefe Executivo da Oberoi Hotels & Resorts, os robôs serão nossos auxiliares culinários, mas nunca substituirão a presença dos chefs de carne e osso. Ele conta ao Entrepreneur

“Os robôs farão parte da nossa culinária, mas a importância do chef precisa estar lá. Cozimento e pratos finais podem ser provados apenas por seres humanos. Sim, eles nos ajudarão, nos apoiarão, mas o papel dos chefs ainda estará vivo”

Robin Batra, Chefe Executivo da Oberoi Hotels & Resorts para Entrepreneur

Vantagens da robótica e IA na indústria de alimentos

(online e offline

Redução de custos ✓

Minimização de erros nos pedidos ✓

Maior agilidade nas entregas ✓

Redução de filas ✓

Aprendizado preciso do gosto dos clientes ✓

Ampliação no escopo de entregas ✓

Automatização na compras de materiais ✓

Organização e limpeza ✓

Pontos de venda digitais ✓

Atração de clientes pela atratividade e diversão ✓

Exemplos de disrupções e automações na indústria de restaurantes

Foodom

Foodom é o nome do o primeiro restaurante totalmente operado por robôs da China. Abriu as portas neste mês de janeiro, na cidade de Cantão. 

Segundo a empresa, há 46 robôs operando as mais diferentes funções dentro do estabelecimento, desde a recepção até o pagamento final do cliente. A limpeza, organização e armazenamento também ficam totalmente por conta dos androides.

As máquinas estão capacitadas com softwares de IA e big data, sendo capazes de aprender habilidades com os melhores chefs da região. Para isso, utilizam um programa de computador para acompanhar todos os detalhes, como controle de temperatura, ingredientes e tempo de cozimento.

A Foodom é de propriedade do Qianxi Robotic Catering Group, uma unidade da gigante imobiliária chinesa Country Garden Holdings.

Spyce

O restaurante Spyce, localizado em Boston (EUA) possui um sistema de panelas wok que cozinham totalmente sozinhas. 

O aparelho é capaz de cozinhar e servir até 300 refeições ou mais por dia, sem envolvimento humano. Os woks também são capazes de se enxaguar sozinhos após cada refeição preparada. Nos bastidores, um chef com estrelas Michelin toma conta dos mínimos detalhes.

O Spyce foi fundado por alunos do Massachusetts Institute of Technology (MIT), que sentiam falta de opções que fossem ao mesmo tempo rápidas e nutritivas. Em 2018, receberam US$ 21 milhões em uma rodada de financiamento de Série A, liderada pelos VCs Collaborative Fund e Maveron.