A pandemia do novo coronavírus acarretou uma série de mudanças no comportamento de empresas e pessoas.  E, isso deve se refletir na retomada da atividade. Máscaras e álcool em gel foram incorporados ao dia a dia das pessoas. Pelo lado das empresas, o home office, aparentemente, veio para ficar.

Esta – e outras iniciativas com o objetivo de garantir a segurança dos trabalhadores – foi captada em pesquisa realizada pela Mercer e pela Mercer Marsh Benefícios sobre a retomada das atividades com 253 empresas brasileiras. Nesse universo, 93% analisam a manutenção do trabalho remoto. O home office opcional será praticado por 85% dos consultados.

“O trabalho remoto foi incorporado pelas empresas. A pesquisa mostrou que nove em cada dez empresas achou a experiência positiva”, afirma o Antonio Salvador, líder de Career da Mercer. A resistência, diz ele, vem do varejo.

“Por estarem na linha de frente do atendimento, os varejistas acham que o trabalho precisa ser presencial – o que é fato. Mas existe uma equipe, que trabalha na retaguarda, que pode manter o trabalho remoto. Inclusive quem atua no e-commerce”, afirma Salvador.

MUDANÇAS NAS POLÍTICAS INTERNAS

Em relação aos critérios utilizados para identificar os funcionários elegíveis para o retorno parcial, 46% vão priorizar funcionários sem familiares que estejam no grupo de riscos de contaminação pelo vírus. Outros 38%, os colaboradores sem histórico da doença.

Uma nova realidade também se impõe para atividades realizadas externamente. Das empresas ouvidas, 68% optaram por cancelar viagens nacionais e internacionais. As empresas também estão adotando medidas de austeridade, a fim de manter sua saúde financeira, como apontam 41% dos consultados, que pretendem manter a interrupção ou o cancelamento de novas contratações.

Segundo o levantamento, na chegada ao trabalho, 51% das empregadoras realizarão um plano de prevenção com os funcionários. Entre as iniciativas, 65% disseram aferir a temperatura e 31% farão entrevistas para identificar possíveis sintomas.

Das 253 participantes, a maioria (79%) desenvolveu protocolos para situações de aparecimento ou suspeita de contaminação. Caso isso ocorra, 84% farão limpeza e desinfecção dos locais de trabalho e 48% pretendem realizar testes de Covid-19.

Para proteger os funcionários no ambiente de trabalho, 84% das entrevistadas disseram que fornecerão equipamentos de proteção individual (EPIs). Entre os equipamentos, 97% disponibilizarão máscaras, 79% luvas e 21% frascos individuais de álcool em gel.

 DISTANCIAMENTO NA RETOMADA DA ATIVIDADE

Adicionalmente, o levantamento revela quais as medidas para garantir o distanciamento social no ambiente de trabalho na medida em que a retomada da atividade ocorrer. Entre as empresas, 76% vão alternar os dias de trabalho presencial entre funcionários e 74% estudam a possibilidade de teletrabalho por um período maior ou por prazo indeterminado.

Dentre as empresas pesquisadas, 60% instalará placas e marcadores para reforçar o distanciamento entre as pessoas, modificar layouts de ambientes comuns como cafés e refeitórios, e dos escritórios e áreas de produção.

 

https://www.consumidormoderno.com.br/2020/07/31/empresas-retomada-da-atividade/